Fale com um
Especialista!
(11) 5052-1000 Whatsapp
Neo Vita - Reprodução Humana e Saúde Reprodutiva

Resp Técnico: Dr. Fernando P. Ferreira

CRM-SP: 103.984 | RQE: 39.163.1
Agende sua Consulta

Entenda a diferença entre inseminação artificial e fertilização in vitro

Entenda a diferença entre inseminação artificial e fertilização in vitro
A Inseminação Intrauterina (IIU), popularmente conhecida como inseminação artificial, consiste em melhorar a capacidade dos espermatozoides em laboratório para injetá-los no útero. Antes do procedimento, a paciente passa pela indução da ovulação. O tratamento é utilizado nos casos em que há redução na concentração/ motilidade dos espermatozóides impossibilitando o casal de engravidar.

Indicação de inseminação artificial:

O uso da Inseminação Intrauterina está indicado nos casos de:

  1. Infertilidade sem causa aparente (apresentando tubas uterinas íntegras e no homem, apresentando uma concentração de 5 milhões sptz no mínimo);
  2. HIV em casais sorodiscordantes (em que o parceiro é HIV + e a parceira não é);
  3. Fator cervical;
  4. Dispareunia grave;
  5. Incapacidade de ter uma relação sexual satisfatória.

As taxas mais altas de gravidez na IIU ocorrem quando há mais de 10 milhões de espermatozoides móveis no ejaculado. A IIU raramente é eficaz e não indicada quando o total de espermatozoides móveis ejaculados forem inferiores a 5 milhões de sptz/ml.

Indicação de Fertilização in Vitro

Por outro lado, a Fertilização in vitro (FIV) é um tratamento de grande complexidade que tenta reproduzir, em laboratório, as condições adequadas para que ocorra a fecundação e as primeiras etapas do desenvolvimento embrionário similar ao que ocorre fisiologicamente no aparelho reprodutivo feminino.

Durante o tratamento de fertilização in vitro (FIV), os ovários são estimulados a fim de induzir o desenvolvimento multifolicular. Existem vários protocolos de estimulação e preparações de indutores da ovulação para ser utilizado.

A estimulação é normalmente adaptada às necessidades do paciente e individualizada com base na idade, marcadores de reserva ovariana, achados em ultrassonografias, índice de massa corporal e resposta à estimulação anterior. Quando os folículos chegam no tamanho adequado, estes são coletados e os oócitos são fertilizados.

E na última etapa os embriões em desenvolvimento permanecem armazenados em meios de cultivo de 3 ou 5 dias antes de ser realizado a transferência ou a criopreservação.

Crédito: DenisKot / Tipo de licença: Royalty-free / Coleção: iStock / Getty Images Plus

Desenvolvido por AO5 Marketing Digital