(11) 5052-1000
Neo Vita - Reprodução Humana e Saúde Reprodutiva

Resp Técnico: Dr. Fernando P. Ferreira

CRM-SP: 103.984 | RQE: 39.163.1

O que fazer quando na FIV o embrião não desenvolve?

Saiba mais sobre quais as chances de sucesso de engravidar com inseminação artificial

Para que o embrião desenvolva e chegue a estágio de blastocisto depende da qualidade dos óvulos e dos espermatozoides quanto aos seus aspectos morfológicos.

Em uma gravidez natural, o embrião é formado na tuba uterina e cai na cavidade uterina quando o embrião se encontra em D5, no estágio de blastocisto. O blastocisto contém de 100 a 200 células, embrião pronto para se implantar no endométrio.

Em 1978, foi feito a primeira FIV, nessa época a transferência era realizada em D2. Com o passar dos anos, a modernização e a evolução dos laboratórios permitiu a transferência de embriões em D3 e posteriormente em D5. Embriões que conseguem chegar ao 5 dia, são embriões de boa qualidade. Já aqueles que não evoluem até o D5 de desenvolvimento, provavelmente possuem algum tipo de alteração genética.

A função do laboratório é fornecer condições mimetizadas ao útero para que o embrião consiga chegar até o 5 dia. O laboratório precisa ter meios de cultura adequados, condições de temperatura e concentração de oxigênio, nitrogênio e gás carbônico adequadas para simular as condições ideais que o embrião estaria na tuba uterina em uma gestação espontânea.

Aproximadamente 50% dos embriões em desenvolvimento chegam em blastocistos quando mulheres apresentam menos de 37 anos e o esposo com poucas alterações nos espermatozoides.

Por outro lado 30% dos embriões em desenvolvimento chegam em blastocistos quando mulheres apresentam mais de 37 anos e alterações mais relevantes nos espermatozoides. Deste modo, aqueles embriões bloqueados, ou seja, param de se desenvolver e não conseguem chegar a estagio de blastocisto, teriam baixas chances de implantação. Portanto, antes de realizar a transferência dos embriões, é feito o acompanhamento de todo desenvolvimento e é transferido apenas o embrião viável para implantação, ou seja, o que apresentar melhores condições, diminuindo assim a quantidade de embriões transferidos, reduzindo as chances de gestações múltiplas e aumentando as taxas de sucesso do tratamento.

Sendo assim, para aumentar as taxas de gestação é indicado a transferência de um embrião ou dois embriões em blastocisto. Se o casal tiver embriões excedentes, o aconselhável é criopreservar para uma futura tentativa ou um próximo filho.

Como melhorar a qualidade ovocitária e embrionária?

Para que o tratamento de FIV tenha sucesso, é preciso que tenha formação de bons embriões que foram resultados de uma boa maturação ovocitária, pois será influenciado diretamente nos resultados finais de implantação e gestação.

Durante a estimulação ovariana, há o crescimento dos folículos ovarianos e os ovócitos sofrem maturação de seu citoplasma. Em seu citoplasma contém células importantes como as mitocôndrias que tem como principais funções: produção de energia das células, atuando no processo de clivagem embrionária e crescimento do embrião. Sabe-se que a qualidade do embrião é definida pela ativação do seu genoma embrionário, sendo ativado no inicio das divisões celulares que ocorrem logo após a fertilização.

As mitocôndrias são de extrema importância para o desenvolvimento de um bom embrião capaz de se implantar no endométrio. Sendo assim, mudanças no estilo de vida diária são de extrema importância, pois além de melhorar o funcionamento dessas organelas e consequentemente o desenvolvimento embrionário, também ajudam na obtenção de uma vida mais saudável.

O envelhecimento possui um papel importante no decorrer do processo porque a quantidade e qualidade dos ovócitos recuperados em um ciclo de FIV diminuem e como consequência, aumenta a taxa de abortos. Diversos estudos têm sido realizados a fim de buscar uma alternativa que auxilie nesses casos.

Nesses estudos foram mostrados algumas substâncias e hábitos diários que podem promover uma melhora na qualidade ovocitária:

-Coenzima Q10;

-Antioxidantes: uso de vitamina C, E, D para reduzir o estresse oxidativo;

-Atividade física;

-Dieta com pouca carne vermelha e gorduras saturadas, rica em peixes, frutas e legumes.

Converse com o médico especialista para investigar o seu caso e encontrar a melhor maneira de realizar o seu sonho.

Desenvolvido por AO5 Marketing Digital

Fale por Whatsapp