(11) 5052-1000
Neo Vita - Reprodução Humana e Saúde Reprodutiva

Resp Técnico: Dr. Fernando P. Ferreira

CRM-SP: 103.984 | RQE: 39.163.1

Entenda por que cisto no ovário pode impedir a gravidez

Cistos ovarianos são um tipo de alteração que pode ocorrer em mulheres de todas as idades. Cistos no ovário nada mais são do que bolsas cheias de fluido que crescem na superfície ou no interior dos ovários. Geralmente, são benignos e inofensivos, mas podem tornar-se malignos (câncer). Os cistos malignos surgem principalmente nas mulheres com mais de 40 anos.

Quais são os tipos de cistos ovarianos?

Existem vários tipos de cistos dos ovários. O tipo mais comum são os cistos foliculares e os cistos de corpo lúteo. Os cistos de ovário geralmente são únicos e mede de 3 a 10 cm, podendo ser maiores.

Os cistos foliculares evoluem de um folículo para abrigar o óvulo e liberá-lo em direção às tubas uterinas. Portanto, se esse folículo não se romper para a liberação do óvulo, o mesmo continua acumulando líquidos e crescendo, formando um cisto. Na maioria dos casos, quando não há fertilização. Ele desaparece em algumas semanas.

Mais raramente, forma-se cisto no corpo lúteo, tecido amarelo que se desenvolve a partir de um folículo após a liberação do óvulo.

Muito comum também é o surgimento de múltiplos e pequenos cistos, com média de 10 milímetros de diâmetro espalhados pelos ovários. Estes são causados por um distúrbio hormonal conhecido como síndrome do ovário policístico (SOP) que causa anovulação, aumento de pelos no rosto, seios, acnes, ganho de peso e dificuldade para engravidar.

Como o cisto no ovário pode impedir a gravidez?

Cisto nos ovários, popularmente conhecido como cisto ovariano atingem cerca de 25% das mulheres em idade fértil no Brasil. É um tipo de tumor benigno que apresenta poucos sintomas. A maioria dos cistos dos ovários não causam sintomas. Quando existem, pode incluir: desconforto no abdome, dor durante o ato sexual, períodos menstruais irregulares, por vezes com perda de sangue abundante e hemorragia pós-menopausa. Os cistos maiores podem exercer pressão sobre a bexiga, provocando retenção urinária ou necessidade frequente de urinar.

Se um cisto ovariano romper ou ficar torcido, pode surgir dor abdominal intensa, náuseas e até febre. Os cistos podem crescer de modo a fazer com que o abdome fique distendido.

Por vezes, os cistos dos ovários só são descobertos em um exame pélvico em consulta médica de rotina. Caso contrário, se houver sintomas de um cisto, o médico irá fazer um exame de ultrassonografia ou uma laparoscopia para confirmar o diagnóstico e determinar o tamanho e localização do cisto. Também poderá solicitar exame de sangue para verificar se o cisto é maligno.

Os cistos ovarianos benignos geralmente desaparecem sem tratamento em menos de três meses, embora seu crescimento possa ser acompanhado por ultrassonografias em intervalos regulares. Os cistos maiores ou persistentes podem ser drenados ou removidos. Se houver probabilidade do cisto ser maligno, ele será removido, deixando, se possível, o ovário e a tuba uterina.

Alguns múltiplos e pequenos cistos, como os da SOP, podem levar à produção hormônios sexuais masculinos provocando o aparecimento de características masculinas e causando infertilidade. É muito raro cistos ovarianos causar infertilidade, mas pode dificultar a gestação devido às alterações hormonais, irregularidades na menstruação, ausência de menstruação e outros problemas que afetam o ciclo natural para uma fertilização e gestação saudável. Recomenda-se que a mulher faça um acompanhamento antes de tentar engravidar.

Na maioria dos casos, o tratamento para os cistos nos ovários é muito simples. Entretanto, o acompanhamento do médico ginecologista é essencial para garantir o sucesso do tratamento e não prejudicar a saúde da mulher e sua fertilidade.

Desenvolvido por AO5 Marketing Digital

Fale por Whatsapp