(11) 5052-1000
Neo Vita - Reprodução Humana e Saúde Reprodutiva

Resp Técnico: Dr. Fernando P. Ferreira

CRM-SP: 103.984 | RQE: 39.163.1

Idade e fertilidade aos 40 anos: cuidados e informações importantes para quem busca a gestação

A combinação de fatores como a introdução da pílula anticoncepcional, o aumento da educação dos pais e nas escolas, carreira e o mercado de trabalho têm contribuído para que a mulher tenha filhos com idade avançada, porém com a perda da qualidade e quantidade de óvulos. Deste modo, devido ao envelhecimento ovariano, as mulheres estão tendo cada vez mais com dificuldades de engravidar.

Mulheres sexualmente ativa, entre 17 e 25 anos, tem 20% a 25% de chances de engravidar por mês. Aos 32 anos, a fertilidade decai e aos 40 anos ou mais, reduz pela metade e aumenta os riscos de aborto espontâneo, diabetes gestacional e alterações genéticas na gravidez.

Entretanto, muitas mulheres com mais de 40 anos conseguem ficar grávidas seja naturalmente ou através do tratamento de Fertilização in vitro. E mais, apesar de ser uma desvantagem a idade avançada da mulher, existem as vantagens de você ter esperado, curtido a vida, amadurecido, ter tido segurança financeira e com uma posição confortável em sua carreira.

Por que mulheres acima dos 40 anos tem seus óvulos comprometidos?

Cada gameta feminino e masculino contém 46 cromossomos. Para fertilização ocorrer normalmente, óvulo contribui com 23 e o espermatozoide com 23 cromossomos, totalizando um embrião com sua carga genética própria com 46 cromossomos. Sendo assim, antes mesmo da ovulação, o óvulo entra em um processo denominado meiose, onde será reduzido o número de cromossomos pela metade.

As alterações genéticas que ocorrem nos embriões formados devido a idade avançada ocorrem possivelmente pelos seguintes fatores:

– Todas as nossas células contêm organelas chamadas mitocôndrias, que produzem energia, inclusive os óvulos. Sendo assim, a produção de energia do óvulo diminui com o avanço da idade, alterando o DNA mitocondrial e também a própria estrutura mitocondrial dentro do óvulo, degenerando-o ou prejudicando na taxa de fertilização;

– Deterioração dos componentes da meiose, ocasionando erros em alinhamentos cromossômicos, gerando embriões com números incorretos de cromossomos (aneuploidia);

– O encurtamento dos telômeros, estruturas que protegem os cromossomos de danos, também contribui para aneuploidias, pois com o envelhecimento dos óvulos, seus telômeros são mais curtos e não exercem sua atividade.

No entanto, sabe-se que a maioria das aneuploidias resulta em falha de implantação ou aborto, portanto não são todas que são letais para o embrião. Números incorretos de cromossomos também ocasionam em Síndrome de Down, condição na qual a criança tem 3 cromossomos 21. A mulher com idade materna avançada possui a opção de realizar a análise do DNA de cada embrião, permitindo diagnosticar alterações no número de cromossomos presentes, certificando da ausência de síndromes para que a escolha do embrião a ser transferido seja livre de anomalias cromossômicas e deste modo, aumentando as chances de ter um bebê saudável em casa no fim do tratamento de FIV.

Alternativas de tratamento para mulheres que não conseguem engravidar ou desejam preservar a fertilidade

Você que busca pela gestação ou já pensa em engravidar quando tiver em torno dos 40 anos de idade, existem alternativas que podem te auxiliar alcançar o sonho da gestação

– Criopreservação dos óvulos

– Fertilização in vitro com a ovorecepção

Desenvolvido por AO5 Marketing Digital

Fale por Whatsapp