Fale com um
Especialista!
(11) 5052-1000 Whatsapp
Neo Vita - Reprodução Humana e Saúde Reprodutiva

Resp Técnico: Dr. Fernando P. Ferreira

CRM-SP: 103.984 | RQE: 39.163.1
Agende sua Consulta

Por que a FIV pode não dar certo?

Infertilidade 07/11/2019
Por que a FIV pode não dar certo?

Muitos casais que não conseguem engravidar na primeira tentativa, obtém o sucesso na próxima. Enquanto nem todos os fatores podem ser corrigidos na primeira tentativa, outros podem ser identificados, corrigidos e reduzem as chances de falha de Fertilização in vitro (FIV) no ciclo seguinte. O sucesso da FIV depende de 2 fatores: qualidade embrionária e receptividade endometrial, ou seja, precisa ter uma interação entre o embrião e útero.

Qualidade embrionária

A qualidade do embrião depende de vários fatores. O primeiro fator é o oócito (óvulo). Quanto mais avançada é a idade da mulher e portanto do oócito, maior é a chance dele ter alterações cromossômicas ou intracitoplasmáticas e extracitoplasmáticas. Por outro lado o espermatozoide também é importante, pois contribui com metade do material genético do embrião. Alterações em sua concentração, motilidade e morfologia podem gerar embriões alterados.

Tratando-se da qualidade embrionária, o embrião é formado após a fertilização e sua avaliação é realizada pela análise morfológica. Avalia-se o número de células, simetria entre elas e fragmentação. No 3º dia, espera-se que o embrião tenha 8 células, seja simétrico e tenha pouca fragmentação. Portanto, a morfologia adequada não significa que o embrião seja geneticamente normal. Sendo assim, mesmo que os embriões chegam a estágio de blastocisto podem ter alterações no DNA e serem incompatíveis com a gestação.

Receptividade endometrial

O endométrio precisa de substâncias e estruturas para permitir a adesão e implantação do embrião. A interação do embrião e endométrio também pode ser prejudicada, causar falha de implantação e consequente aborto pelos seguintes fatores:

  • Trombogênicos;
  • Imunológicos;
  • Pesquisa de marcadores de implantação endometriais: Células NK (Natural Killer: CD 56+, CD16+, CD8+);
  • Pesquisa de endometrite crônica (Plasmócitos);
  • Datação endometrial;
  • Pesquisa de fibras de endometriose no endométrio (PGP 9.5)

Contudo, avaliação das falhas de tratamentos por FIV é muito complexa e por isso é importante que o médico especialista investigue e conheça os principais fatores envolvidos em cada caso individualmente.

Crédito: Vera_Petrunina / Tipo de licença: Royalty-free / Coleção: iStock / Getty Images Plus

 

Desenvolvido por AO5 Marketing Digital