(11) 5052-1000
Neo Vita - Reprodução Humana e Saúde Reprodutiva

Resp Técnico: Dr. Fernando P. Ferreira

CRM-SP: 103.984 | RQE: 39.163.1

Malformações uterinas: saiba como pode trazer complicações na gravidez e o que fazer

Muco cervical hostil: veja como funciona o tratamento

As malformações uterinas correspondem a anormalidades causadas por fusão embriológica defeituosa ou falhas na recanalização dos ductos de Müller na formação da cavidade uterina.

O desenvolvimento embriológico dos ductos Mullerianos se completa por volta da 12 semana de gestação e compreende o desenvolvimento e fusão dos ductos paramesonéfricos (Mullerianos) com reabsorção do septo mediano, dando origem ao útero, tubas uterinas, e terço superior da vagina.

Os estudos mostram incidência de aproximadamente 3 a 5%. No entanto as malformações que mais impactam no processo reprodutivo são: útero septado, útero didelfo, bicorno e unicorno, útero arqueado, agenesia uterina ou Síndrome de Rokitanski.

Somente na Síndrome de Rokitanski ocorre impedimento para gestação porque não há comunicação entre a vagina e as tubas uterinas (encontro do óvulo com o espermatozoide), o útero está ausente e graus variáveis de hipoplasia vaginal. Entretanto os outros tipos de malformações uterinas não impedem a gravidez, mas podem dificultar a evolução da gestação pela falta do espaço adequado para o desenvolvimento do embrião até chegar em formato de feto.

Como a Reprodução Humana assistida pode auxiliar pacientes inférteis que possuem malformações uterinas?

A paciente cujo apresenta malformações uterinas pode se beneficiar da Fertilização in vitro com a barriga solidária. Os ovários são estimulados a produzirem folículos que dentro contém os óvulos. Estes óvulos serão coletados e fertilizados. Após a fertilização o embrião formado é congelado para o preparo do útero de substituição. Assim que o útero estiver em condições adequadas ocorre a transferência embrionária. Todavia, pacientes que não possuem o útero com um funcionamento adequado para gestação podem recorrer a técnica que já é regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

Desenvolvido por AO5 Marketing Digital

Fale por Whatsapp