(11) 5052-1000
Neo Vita - Reprodução Humana e Saúde Reprodutiva

Resp Técnico: Dr. Fernando P. Ferreira

CRM-SP: 103.984 | RQE: 39.163.1

Síndrome do anticorpo antifosfolípide: conheça o tratamento contra esta causa de infertilidade

Por que a FIV pode não dar certo?

A Síndrome do anticorpo antifosfolípide (SAF) é uma doença autoimune. Na síndrome o organismo passa a produzir anticorpos que afetam a coagulação sanguínea, levando a formação de coágulos que obstruem a passagem de sangue nas veias e artérias, é uma causa importante de trombofilia adquirida e abortos repetidos.

Sinais e sintomas da SAF

Os sinais e sintomas da síndrome variam desde manchas esparsas na pele, tromboflebite, insuficiência cardíaca, microtrombose disseminada (trombos de vasos de pequeno calibre por todo o organismo) e embolia pulmonar. Algumas mulheres só manifestam a SAF durante a gestação com perdas fetais de repetição. Durante a gravidez, a trombose ocorre na placenta, o que prejudica a ida do sangue até o feto, comprometendo o seu desenvolvimento e ocasionando a perda fetal. Este acontecimento é definido como uma causa de infertilidade, pois impossibilita a mulher de ter uma gravidez a termo.

Tratamento contra a SAF

O tratamento para mulheres grávidas com SAF aumentou o número de casos com gestação a termo, o mesmo envolve o uso de heparina de baixo peso molecular associado ao ácido acetilsalicílico. Devido ao uso de heparina prolongado, recomenda-se o uso de suplemento de cálcio e vitamina D e fazer atividade física para evitar a diminuição da densidade mineral dos ossos, ou seja, uma osteopenia. É importante salientar que a medicação não traz riscos nem para mãe, o bebê e o aleitamento materno.

Por outro lado, para pacientes não gestantes a terapia é realizada com o uso de anticoagulantes orais para o resto da vida (inibidores da vitamina K). O tratamento deve ser acompanhado pelo médico especialista através de exames de sangue realizados periodicamente. A doença não tem cura, mas é possível combater alguns fatores como o fumo, obesidade, sedentarismo, níveis elevados de colesterol e triglicérides e uso de hormônios, como, por exemplo, a pílula anticoncepcional.

Desenvolvido por AO5 Marketing Digital

Fale por Whatsapp