(11) 5052-1000
Neo Vita - Reprodução Humana e Saúde Reprodutiva

Resp Técnico: Dr. Fernando P. Ferreira

CRM-SP: 103.984 | RQE: 39.163.1

Infertilidade: saiba quais os principais sinais de disfunções hormonais masculinas

Saiba quais os principais tipos de alterações no resultado do espermograma e o que pode indicar

As principais causas das disfunções hormonais são as doenças que afetam os testículos, como traumas, cirurgias,  o câncer e problemas na hipófise (glândula localizada no cérebro e é responsável pela produção de hormônios). Uma das principais características dessa disfunção é a diminuição da testosterona pelo organismo masculino que interfere na fertilidade. A alteração na quantidade de testosterona pode modificar ou bloquear o funcionamento dos testículos comprometendo sua função reprodutiva.

Principais sinais de disfunções hormonais masculinas

O homem que apresenta alguma disfunção hormonal, pode se sentir cansado, irritado e com falta de interesse sexual, pois há diminuição da testosterona. É importante saber que a queda deste hormônio pode causar também: Disfunção erétil, diminuição da força e massa muscular, comprometimento da memória e funções cognitivas, depressão e infertilidade. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, cerca de 20% dos homens depois dos 40 anos de idade terão queda de testosterona; e geralmente ocorre uma diminuição de 12% da produção desse hormônio a cada década de vida.

Como prevenir as disfunções hormonais masculinas?

É recomendado realizar atividade física regularmente, seguir uma dieta alimentar rica em alimentos que auxilie na regulação hormonal. Neste caso, você pode contar com ajuda de nossa nutricionista, Dra. Natalia Barros, para orientação.

Outro jeito de prevenir é evitar os fatores de risco que são: obesidade, hipertensão, diabetes, dislipidemia, tabagismo, anabolizantes, álcool e medicamentos ou suplementos com hormônios.

Tratamento para as disfunções hormonais

Homens que apresentam disfunções hormonais devem procurar ajuda médica. Avaliação é realizada a partir de exames de sangue específicos e o tratamento envolve a reposição de testosterona através de medicamentos injetáveis ou em gel, pois os orais são tóxicos ao fígado. O médico avalia a redução do hormônio de acordo com perfil clínico e idade do paciente, verificando a necessidade do tratamento. Por fim, o tratamento atua em restabelecer a quantidade hormonal necessária para o organismo e consequentemente a fertilidade.

 

Desenvolvido por AO5 Marketing Digital

Fale por Whatsapp